domingo, 3 de novembro de 2013

NOSSO CULTO E A NOSSA REFEIÇÃO COMUM...

PASTOR ANDERSON MAGNO NASCIMENTO DA SILVA
Referência bíblica:
I Coríntios 11. 33
Portanto, meus irmãos, quando vocês se reunirem para a Ceia do Senhor, esperem uns pelos outros.

Introdução:

Vamos mais uma vez, falar da Ceia do Senhor e a sua importância para nós nos dias atuais. E para isso, vamos pegar a comunidade de Corinto e seus problemas que o Apostolo Paulo teve que interferir.
Paulo precisava resolver algumas questões que a igreja de Corinto estava passando. Como muitos de nós aqui já ouvimos e sabemos desse fato. Porém, vale a pena lembrar um pouco mais essa história. Essa comunidade começou a perceber que algumas pessoas dessa mesma comunidade chegavam antes nestas reuniões e comiam e bebiam em excesso, ou seja, existia o abuso na hora de se servir a comida e a bebida.
Naquele tempo, a Ceia do Senhor era celebrada como parte final de uma refeição que os cristãos faziam em conjunto... Assim, enquanto alguns ficavam com fome, outros chegavam até ficar bêbados. [1]

Sendo assim, podemos observar que o culto e a refeição comum era uma bagunça só... Paulo então escreve uma carta para essa comunidade e explica várias questões que tem que ser observada por eles.
Um exemplo que nos chama atenção que a palavra Ceia do Senhor só aparece no Novo Testamento. Porém, antes de existir a Ceia do Senhor, os cristãos/ãs faziam uma refeição em conjunto que tinha como nome Festa do Amor ou Ágape que logo depois foi separada da Ceia do Senhor por motivos que vamos entender ao percorrer desse sermão.
Essa Festa, na verdade era para que todos os cristãos/ãs pudessem comer e beber juntos, e ainda dar testemunho daquilo que Deus, Jesus Cristo e o Espírito Santo fez e continuava fazendo na vida de cada um/a. Isso tudo é para Glorificar o Nome do Deus Eterno.

Desenvolvimento:

Quando pensamos na Santa Ceia do Senhor, pensamos em união e amor uns para com os outros. Mas na verdade, não era bem assim que acontecia nesta comunidade e ainda hoje podemos ver isso nas comunidades atuais.
Uns dos motivos que houve a separação da festa do amor ou ágape da Ceia do Senhor foram justamente os pensamentos egoístas e a falta de respeito com o próximo.
Não era uma ceia própria, ou seja, aquela que eu só penso na minha pessoa e no máximo daqueles/as que estão próximos como meus familiares e amigos/as mais queridos/as.
Observamos nesta leitura (indico que você faz a leitura desse capitulo por completo para entende-lo melhor) que existiam pessoas egoístas demais. As pessoas no inicio, tinha como objetivo a refeição comum. Onde cada família, levava uma refeição e chegando neste local, todos/as repartiam e comiam juntos. Pobres e ricos, homens e mulheres, crianças e idosos.
Mas, ao passar do tempo, algumas pessoas quebraram esse principio e virou bagunça, ao ponto do Apostolo Paulo mandar uma carta e dar o seu testemunho pessoal dos princípios da Santa Ceia e também daquilo que Jesus Cristo revelou para ele.
A falta de amor e as divisões segundo Apostolo Paulo relatou, entrou nesta comunidade e ai ficou impossível à comunhão que é tanta valorizada no mundo cristão e que durante ao passar dos anos estamos perdendo esse princípio na nossa comunidade.
A Ceia do Senhor, ela tem um significo muito especial para nós que é a seguinte:
Além de ser um memorial, a Ceia é um momento de comunhão da igreja e fortalecimento espiritual de cada membro do corpo de Cristo. Um momento único e especial. [2]

Somos forte, enquanto estamos unidos... No nosso meio, não pode haver separação e nem egoísmo. Uma vez que, a própria Bíblia Sagrada nos mostra que Deus não faz acepção de pessoas conforme os textos bíblicos de Romanos 2. 11 e Atos 10. 34.
Isto é queridos/as amados/as:
  • ü Não importa se você é rico ou pobre... Jesus te ama.
  • ü Negro, branco, pardo ou amarelo... Jesus te ama.
  • ü Se você mora numa casa grande ou pequena... Jesus te ama.
  • ü Se você é brasileiro ou chinês... Jesus te ama.

Isso tem que ficar muito claro para nós... Quando, chegamos aqui e tentamos mostrar a valorização da Ceia e a importância que ela tem que ter nos nossos dias, não é para brincar com os seus sentimentos. Mas, na verdade é para mostrar que temos valor e precisamos entender esse princípio na nossa vida e ministério.  
É para verdadeiramente mostrar para cada um/a de nós que somos importantes demais... E Jesus Cristo, deseja que eu e você façamos parte desse grande banquete.
Ao fazer parte desse grande banquete, Jesus Cristo está nos convidando para ter amor uns para com os outros, assim como Ele tem por nós... Vamos prestar atenção numa coisa: Será que verdadeiramente somos justo e fiel para estarmos aqui?
Façamos uma reflexão pessoal neste momento!
É uma pergunta que nos causa medo e nos faz pensar... Por isso, a importância de fazer um alto exame da vida pessoal e também ministerial como o Apóstolo Paulo nos lembra nesta leitura bíblica.
Para o Apóstolo Paulo, tanto na festa do amor ou ágape e principalmente na Santa Ceia do Senhor não era motivo que a:
Glutonaria, a embriaguez, as divisões e a carnalidade em geral. Como resultado, a participação na Ceia, que deveria trazer bênção, estava trazendo maldição, juízo e castigo (11.29). [3]

E por isso, o Apóstolo Paulo não podia louva-los de jeito nenhum e exortou a comunidade de Corinto.

 Conclusão:

Quando pensamos na Santa  Ceia do Senhor, temos que analisar que os elementos que estão aqui tem um significado muito importante ara nós como vou lembrar agora neste momento:
Os sacramentos instituídos por Cristo não são somente distintivos da profissão de fé dos Cristãos; são, também, sinais certos da graça e boa vontade de Deus para conosco, pelos quais Ele invisivelmente opera em nós, e não só desperta, como fortalece e confirma a nossa fé n’Ele. Dois somente são os sacramentos instituídos por Cristo, nosso Senhor, no Evangelho, a saber: o batismo e a Ceia do Senhor... Os sacramentos não foram instituídos por Cristo para servirem de espetáculos, mas para serem recebidos dignamente. E somente nos que participamos deles dignamente é que produzem efeito salutar, mas aqueles que os recebem indignamente recebem para si mesmos a condenação, como diz o Apóstolo Paulo. (I Coríntios 11.29). [4]

Da mesma forma, trago agora o significado do “pão e do vinho (suco de uva)” para nós entender um pouco mais sobre a importância da Santa Ceia do Senhor:
O pão é um dos principais alimentos. Dizer que alguém não tem “pão” significa que aquela pessoa está passando fome (não tem comida). Para o povo de Israel, é o alimento mais importante. “Comer pão” significa almoçar ou jantar. Lembrando assim, quando o povo de Israel estava no deserto o que Deus lhe oferecia? O maná caído do céu (Cf.  Êxodo 16. 9 – 27). Dá mesma forma, podemos lembrar também do Profeta Elias, depois que acabou com a idolatria em Israel (I Reis 18) é perseguido e foge para o deserto, desanimado. Lá quer morrer, mas Deus o alimenta com um pão misterioso (I Reis 19. 1 – 8) e tem força para continuar sua missão.
Da mesma forma o vinho (suco de uva) uma vez que, a vinha que produz a uva, ela é simboliza o povo de Israel. Deus cuida do Seu povo da mesma forma que um agricultor cuida da sua vinhas... Sendo assim, Jesus Cristo, se apresentou como o Filho do Dono da vinha (Mateus 21. 33 – 46) e esse vinho é sinal de vida e de alegria. E também um sinal de aliança de Deus para com homens e mulheres (Êxodo 29. 40). O Sangue de Cristo é para mim e para você um sinal da Aliança Eterna que precisamos entender todos os dias e momentos.
Por isso, consagramos o pão e o vinho (suco de uva) antes e após o Culto da Santa Ceia. Uma vez que, esses “frutos da terra e do trabalho de homens e mulheres” tem um significado muito especial na história sagrada. E Jesus aproveitou esses alimentos e deu-lhe um sentido salvador. Tornando assim o Seu Corpo e o Sangue vida de todos/as daqueles/as que caminham nesta terra.
Que a Santa Ceia do Senhor amados/as irmãos/ãs venha realmente ser um sinal da Graça de Cristo Jesus sobre a nossa vida e ministério. Que ela venha trazer clareza da sua importância e significado para cada um/a de nós.
Uma vez que, podemos lembrar que comer em família, significa um gesto de amor e cuidado. E na mesa onde Cristo está ninguém passa fome. Estamos entre irmãos/ãs, mesmo com tantas diferenças e problemas pessoais de cada um/a estamos sendo convocados para deixar para trás e ter uma nova vida onde podemos compartilhar nossas alegrias, sofrimentos, nossos dons e nossas vontades.
Cristo é o Grande anfitrião dessa festa e nos convida para sentar com Ele e comermos juntos esse banquete. Todos/as juntos no grande banquete que Ele mesmo nos lembrou em Mateus 22. 1 – 14.
1 De novo, entrou Jesus a falar por parábolas, dizendo-lhes: 2 O reino dos céus é semelhante a um rei que celebrou as bodas de seu filho. 3 Então, enviou os seus servos a chamar os convidados para as bodas; mas estes não quiseram vir. 4 Enviou ainda outros servos, com esta ordem: Dizei aos convidados: Eis que já preparei o meu banquete; os meus bois e cevados já foram abatidos, e tudo está pronto; vinde para as bodas. 5 Eles, porém, não se importaram e se foram, um para o seu campo, outro para o seu negócio; 6 e os outros, agarrando os servos, os maltrataram e mataram. 7 O rei ficou irado e, enviando as suas tropas, exterminou aqueles assassinos e lhes incendiou a cidade. 8 Então, disse aos seus servos: Está pronta a festa, mas os convidados não eram dignos. 9 Ide, pois, para as encruzilhadas dos caminhos e convidai para as bodas a quantos encontrardes. 10 E, saindo aqueles servos pelas estradas, reuniram todos os que encontraram, maus e bons; e a sala do banquete ficou repleta de convidados. 11 Entrando, porém, o rei para ver os que estavam à mesa, notou ali um homem que não trazia veste nupcial 12 e perguntou-lhe: Amigo, como entraste aqui sem veste nupcial? E ele emudeceu. 13 Então, ordenou o rei aos serventes: Amarrai-o de pés e mãos e lançai-o para fora, nas trevas; ali haverá choro e ranger de dentes. 14 Porque muitos são chamados, mas poucos, escolhidos. [5]

Estamos sendo convidados e convidadas para mais uma vez, fazer parte desse banquete espiritual que vai nos dar força e coragem para vencer nossas lutas e dificuldades. E mais uma vez, renovar os nossos votos diante d`Ele.  Por isso, chegamos na mesa com carinho e respeito por tudo que Cristo Jesus fez por nós e ara toda humanidade. Que o Eterno em Nome de Jesus de Nazaré nos traga clareza e entendimento dessa palavra. Amém.
  
SERMÃO PREGADO NO DIA 03 DE NOVEMBRO DE 2013
NA IGREJA METODISTA EM CAIEIRAS



[1]  BÍBLIA de estudo NTLH. Barueri: Sociedade Biblica do Brasil, 2005. p. 1167.
[2]  Disponível em: < http://www.esbocandoideias.com > - Acesso em 01 de novembro de 13.
[3]  Disponível em: < http://abdiasbarreto.blogspot.com.br  > - Acesso em 1 de novembro de 2013.
[4]  Disponível em: < http://www.igreja-metodista.pt  > - Acesso em 1 de novembro de 2013.
[5] Sociedade Bíblica do Brasil. 2003; 2005. Almeida Revista e Atualizada - Com Números de Strong. Sociedade Bíblica do Brasil.

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

SER ENSINÁVEL...

Texto motivador: Marcos 7. 24 – 30


Levantando-se, partiu dali para as terras de Tiro [e Sidom]. Tendo entrado numa casa, queria que ninguém o soubesse; no entanto, não pôde ocultar-se, porque uma mulher, cuja filhinha estava possessa de espírito imundo, tendo ouvido a respeito dele, veio e prostrou-se-lhe aos pés. Esta mulher era grega, de origem siro-fenícia, e rogava-lhe que expelisse de sua filha o demônio. Mas Jesus lhe disse: Deixa primeiro que se fartem os filhos, porque não é bom tomar o pão dos filhos e lançá-lo aos cachorrinhos. Ela, porém, lhe respondeu: Sim, Senhor; mas os cachorrinhos, debaixo da mesa, comem das migalhas das crianças.  Então, lhe disse: Por causa desta palavra, podes ir; o demônio já saiu de tua filha.  Voltando ela para casa, achou a menina sobre a cama, pois o demônio a deixara. [1]

Jesus também se comportou como um grande religioso da sua época. Como no caso desse encontro entre Ele e a mulher síro-fenícia em território estrangeiro. Jesus sabia que os fenícios sempre levaram vantagens sobre o povo da Galileia. E isso, sempre gerou um “ódio” oculto ou revelado por partes dos judeus da galileia. Porém, neste mesmo encontro, Jesus teve que superar as dificuldades da sobrevivência e da raiva que foi gerado durante anos e anos entre esses dois povos. Além de tudo, teve que perder o preconceito de conversar com uma mulher em público.
            Da mesma forma, essa mulher, que correu em direção a Jesus e se prostrou e Lhe chamou de Senhor, reconhecendo a Sua autoridade naquela terra, também teve que quebrar um preconceito de conversar e pedir ajuda para um Homem que pensava completamente diferente dela e do seu povo. Uma vez que, entendemos que, até então, salvação era coisa exclusiva dos Israelitas. E era impossível aceitar salvação a outra nação.
            E Jesus, sendo até então religioso por assim entender, foi indiferente com essa mulher, que foi procurar ajuda para sua filha. Ou seja, uma cura. Ao pedir ajuda, ela recebeu a seguinte resposta de Jesus que surpreende qualquer um numa primeira leitura desse texto: Deixa primeiro saciar os filhos; porque não convém tomar o pão dos filhos e lançá-lo aos cachorrinhos. (Marcos 7. 27).
            Essa resposta de Jesus mostra verdadeiramente a postura e a mentalidade do povo e também de Jesus na época. Antes desse maravilhoso encontro, podemos considerar Jesus até então um religioso e um conservador nato da lei e das tradições que foram ensinadas para Ele.
            O termo “cachorrinho” era considerado até então como um/a impuro/a e também simbolizada como prioridade do povo de Israel sobre os “gentios”. Portanto, o que vale lembrar aqui é que essa mulher não deixou que o orgulho e o preconceito vindo das duas partes o impedisse de buscar algo para a sua filha.
            E a coragem dela, ao reconhecer que Jesus é Senhor, de reconhecer que o povo de Israel tinha primazia, ou seja, superioridade e a dignidade que era legitimada há anos por essa nação.
            Sendo assim, podemos concluir que foi a existência dessa mulher que fez Jesus rever seus conceitos sobre prioridade e também salvação. Depois desse fato, claro que sabemos que aconteceu, essa menina foi “salva” foi “curada”.
            Uma vez que, já aprendemos que o termo salvação também está ligado com a área da saúde física e mental. Isto é, essa passagem, nos reflete a pensar no diálogo e no relacionamento com o outro que pensa e age diferente de nós. Jesus quebrou preconceitos e barreiras. Deu um passo importante para “salvar” o outro. Ou no caso desse texto, a outra. Que além de tudo, era uma criança.
            Que o exemplo de Cristo Jesus nos traga clareza ao acabar com preconceitos religiosos em nossas vidas. Jesus não teve medo de dialogar e de certa forma observar o comportamento das pessoas que pensavam diferente d`Ele.
            Jesus na verdade se deixou ensinar e ensinou também... Creio que o dialogo foi o grande exemplo para cada um/a de nós acreditarmos no dialogo com aquele que pensam e age diferente de nós. Uma vez que, a grande intenção de Deus e que todos/as fazem parte do Grande Banquete Celestial que vai ser lindo.


Deus abençoe... 




[1] Sociedade Bíblica do Brasil. 2003; 2005. Almeida Revista e Atualizada - Com Números de Strong. Sociedade Bíblica do Brasil

terça-feira, 8 de outubro de 2013

TER TOTAL CONFIANÇA NAQUILO QUE PEDIMOS.

MATEUS 8. 5 – 13

Tendo Jesus entrado em Cafarnaum, apresentou-se-lhe um centurião, implorando: Senhor, o meu criado jaz em casa, de cama, paralítico, sofrendo horrivelmente. Jesus lhe disse: Eu irei curá-lo.  Mas o centurião respondeu: Senhor, não sou digno de que entres em minha casa; mas apenas manda com uma palavra, e o meu rapaz será curado. Pois também eu sou homem sujeito à autoridade, tenho soldados às minhas ordens e digo a este: vai, e ele vai; e a outro: vem, e ele vem; e ao meu servo: faze isto, e ele o faz. Ouvindo isto, admirou-se Jesus e disse aos que o seguiam: Em verdade vos afirmo que nem mesmo em Israel achei fé como esta. Digo-vos que muitos virão do Oriente e do Ocidente e tomarão lugares à mesa com Abraão, Isaque e Jacó no reino dos céus. Ao passo que os filhos do reino serão lançados para fora, nas trevas; ali haverá choro e ranger de dentes. Então, disse Jesus ao centurião: Vai-te, e seja feito conforme a tua fé. E, naquela mesma hora, o servo foi curado. [1]



Ao olhar para esse texto, podemos nos perguntar! Qual é a nossa posição nesta noite? Qual é o tamanho da nossa fé? Qual é a nossa atitude diante de uma dificuldade? Qual é o nosso comportamento ao ver uns dos nossos sofrendo? Esta passagem que acabamos de ler é belíssima para cada um de nós refletirmos sobre a nossa vida e naquilo que eu desejo receber nesta noite.... Uma vez que, essa passagem mostra-me um comportamento saudável e de uma humildade sobrenatural que aos olhos daquele povo e dos religiosos de plantão era impossível.

·         Ser um Centurião era ter domínio em 100 soldados. Além disso, fazia parte de um grande exército Romano e como todos sabem, os Romanos dominavam quase todas as regiões que passavam. Ou seja, aos olhos do povo, nem os Romanos e muito menos os Centuriões eram bem vistos pela sociedade local.  

Um oficial Romano, era um sujeito que tinha total confiança nas suas ordens. O próprio Centurião fez questão de lembrar Jesus Cristo disso. E creio que o próprio Jesus também já sabia dessa realidade.

Porém, o que podemos aprender com a atitude do Centurião num culto de cura e libertação!

  •     1º.            Apresentar-se quem é você.
  •     2º.            Humilhar-se diante de Jesus Cristo.
  •     3º.            Cair por terra todo orgulho.
  •     4º.            Contar seus problemas pra Ele e ter fé.
  •     5º.            Receber seu milagre.


Desejo lembrar que Jesus por onde Ele passava, Ele levava salvação. Uma vez que, salvação também tem haver com cura... Por isso, vamos conversar um pouco sobre os cinco pontos que coloquei tanto na atitude do Centurião como a nossa própria atitude.

1. Apresentar-se diante de Cristo: É fundamental. Pois, às vezes chegamos diante d`Ele de qualquer forma e jeito. Saímos pedindo coisas e coisas e não focamos e fixamos naquilo que é de real importância para nossa vida. O próprio Centurião fez isso de uma forma muito pacífica e tranquila para um homem que estava sujeito a autoridade. Isto é, ele chegou desarmado. Pois, sabia que tinha deixado pra trás um bom homem, um servo fiel, um servo amado, um amigo, um irmão ou até mesmo um pai. Já que ele demostrou tamanho amor e respeito por esse servo... Existe um pretexto na Bíblia que nos mostra o seguinte: mas há amigo mais chegado do que um irmão. (Pv 18. 24b)

2. Humilhar-se diante de Jesus Cristo: O Centurião demostrou uma fé genuína. Ou seja, chegou puro, sincero e franco. Pois, o humilhar-se aqui, não foi dessa forma que a grande maioria das pessoas imaginam que é, ficar rebaixado ou desacreditado... Mas, verdadeiramente torna-se humilde. E aqui meus amados/as são para poucos/as.

Pois quantas pessoas, estamos olhando sofrendo e sofrendo por falta de se tornar-se humilde... O Centurião no mínimo pela sua posição era uma pessoa que tinha dinheiro, poder, etnia (cultural e de idioma, por exemplo) e principalmente seu orgulho. Já que sabemos que ser Romano era ter status. Porém, a atitude de chegar perto de Jesus Cristo e pedir uma ajuda surpreenderam até mesmo os mais incrédulos e autoridade daquela cidade. 

3. Cair por terra todo orgulho: Já que naquela situação, quem tinha poder e autoridade para mudar qualquer realidade não era o Centurião e sim Jesus Cristo. Uma vez que nem o seu dinheiro foi capaz de curar o seu servo. Já que podemos observar que na atitude desse oficial, um reconhecimento de poder e autoridade nas coisas visíveis e invisíveis vinda da parte de Deus sobre a vida de Jesus Cristo. Por que ele ouvia falar de todas as coisas que aquele Homem estava fazendo nas cidades por onde passava e por isso eu creio que ele chegou perto de Jesus e pediu ajuda.

4. Contar seus problemas pra Ele e ter fé: Esse homem não só contou dos problemas que ele enfrentava na sua casa, como também Jesus observou toda a sua vida pessoal através daquela atitude. Isto é, Ele ouvindo o Centurião e chegou numa conclusão na fé que aquele homem tinha. E por isso, admirou-se Jesus. Ou seja, ouviu com interesse seus problemas e dificuldades.

5. Receber seu milagre: Depois de todas as atitudes do Centurião, Jesus Cristo liberou uma palavra de salvação e cura que pela fé atingiu toda a sua casa. Já que observou no pedido do Centurião uma verdade. Pois, pediu para seu próximo.

Mas existe uma sacada tremenda aqui que é o seguinte... Não ter medo de se aproximar de Jesus Cristo por nada. Já que sabemos que Ele é capaz de sarar. E sarar numa expectativa mais ampla que pode ser também: dar, restituir, cicatrizar, eliminar coisas e defeitos, curar e libertar...

A Bíblia nos mostra que todos/as que mudaram a sua vida e mudaram a sua história, tiveram que dar um passo em direção a Cristo...  E isso é uma verdade inquestionável. Já que Jesus quer ver a nossa disposição de ir ao Seu encontro...

Os quatro primeiros passos desse sermão não precisam de uma sequência lógica... Mas, o ultimo ponto é fundamental para qualquer cristãos/ãs que é receber seu milagre. O Centurião através da sua atitude recebeu o seu milagre por que sabia quem poderia resolver.  E quantas vezes amados/as estamos perdendo essa razão. Estamos procurando em lugares errados e sem um principio cristão.

Por isso, podemos pegar a atitude do Centurião e fazer uma reflexão da nossa vida e também ministério. Tirar todo orgulho e status que está nos impedindo de se aproximar mais e mais de Cristo.

Sabemos que Deus, Jesus Cristo e o Espírito Santo sabem das nossas dificuldades e problemas... Mas, sempre temos que voltar ao primeiro Amor e dar um passo sempre na direção d`Eles.

Desejo lembrar cada um e cada uma o seguinte: Deus deseja liberar cura e saúde para todos/as nesta noite. Porém, o mais importante agora e chegar diante dÈle e abrir a boca e clamar por socorro. Orar, para aqueles/as que por algum motivo de saúde física ou mental, não tiveram condições de estar aqui...

Porém, olha a atitude do Centurião... Basta uma palavra do Senhor e tudo muda.

Que nesta noite o exemplo do Centurião verdadeiramente venha nos impactar de uma forma sobrenatural.

Pois o Nosso Senhor Jesus Cristo quer liberar uma Palavra de salvação neste lugar... Por isso, faça comigo essa oração.

Senhor Jesus... Que a atitude do Centurião... Venha ser exemplo constante... Na minha vida... No meio ministério... Na minha casa... Na minha família e amigos... Cremos Senhor... Que uma palavra Sua... Muda o rumo... A história... Da minha vida e dos meus amigos e também inimigos... Caia por terra... Tudo aquilo... Que tem tirado... Me afastado... De ser aproximar do Senhor... Desejo nesta noite... Pedir pela minha vida... E pedir pela vida do meu próximo... Que haja cura e libertação... Salvação... E que o Seu amor e cuidado possa está presente sempre e sempre comigo... Obrigado Senhor... Pelo Teu cuidado... E ensinamentos... Em Nome de Jesus Cristo. Amém.

Deus deseja mudar muita coisa na nossa vida... Dá um passo na direção certa. Procure Jesus Cristo e peça a ele ajuda e transformação por completo na sua vida e também ministério. Jesus gosta de ver corações sinceros e humildes diante d`Ele. E creia mais uma vez nesta palavra... Uma palavra de Jesus Cristo, basta para mudar sua realidade e também daqueles e daquelas que lhe cercam e que você ama.

Que o Eterno te abençoe e te guarde... Que Ele faça resplandecer Teu rosto sobre ti e tenha misericórdia de ti... Que o Eterno sobre ti levante teu rosto e lhe de a paz...

Pastor Anderson Magno - 08 de Outubro de 2013 - Sermão pregado na Igreja Metodista em Vila Mazzei - São Paulo.



[1] Sociedade Bíblica do Brasil. 2003; 2005. Almeida Revista e Atualizada - Com Números de Strong. Sociedade Bíblica do Brasil.

domingo, 6 de outubro de 2013

SANTA CEIA DO SENHOR: salvação e serviço para o povo.

TEXTO BÍBLICO MOTIVADOR: Lucas 22. 14 – 20

Chegada a hora, pôs-se Jesus à mesa, e com ele os apóstolos. E disse-lhes: Tenho desejado ansiosamente comer convosco esta Páscoa, antes do meu sofrimento. Pois vos digo que nunca mais a comerei, até que ela se cumpra no reino de Deus. E, tomando um cálice, havendo dado graças, disse: Recebei e reparti entre vós; pois vos digo que, de agora em diante, não mais beberei do fruto da videira, até que venha o reino de Deus. E, tomando um pão, tendo dado graças, o partiu e lhes deu, dizendo: Isto é o meu corpo oferecido por vós; fazei isto em memória de mim. Semelhantemente, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este é o cálice da nova aliança no meu sangue derramado em favor de vós. [1]



Introdução:

Hoje é um culto muito especial... Não que os outros cultos não sejam especiais e bons. Mas, hoje estamos tento mais uma vez a oportunidade de participar da Santa Ceia do Senhor que para nós, é um momento de comunhão com o Nosso Senhor Jesus Cristo.
Porém, o que a Santa Ceia do Senhor significa para nós? A igreja primitiva, ou seja, a igreja dos primeiros séculos lembrava-se que Jesus a instituiu na noite da refeição da Páscoa:
Que para nós cristãos/ãs tem um significado diferente dos povos antigos “judeus” que comemoram a páscoa como uma festa da passagem “Mar Vermelho e também do Anjo da Morte”. Para nós cristãos/ãs, essa festa tem haver com a “morte e ressurreição” de Jesus Cristo, que é acreditado para nós de fato que Ele é o Cordeiro de Páscoa, porque Ele se tornou o sacrifício perfeito, sem pecado para os pecados de todas as pessoas. [2]

A Santa Ceia para nós, também é um meio de graça. Ou seja, é de graça. Não precisamos pagar para fazer parte dela. Isto é, essa graça que é O amor de Deus que salva as pessoas e as conserva unidas com ele. [3]




Desenvolvimento:

A simbologia que está por de trás do “vinho e pão” tem significados diferentes para nós cristãos/ãs dependendo da sua doutrina ou praticas religiosas. Como podemos observar neste comentário:

ü  Alguns acreditam que o pão e o vinho realmente se tornam o corpo físico de Cristo e o sangue respectivamente.
ü  Outros acreditam que o pão e o vinho permanecem inalterados, mas Cristo está espiritualmente presente no pão e no vinho.
ü  E ainda outros que acreditam que o pão e o vinho representam o corpo e o sangue de Cristo.[4]

Isto é, em geral todos/as cristãos/ãs reconhecem que participar da Santa Ceia do Senhor, é fundamental não só para a sua vida espiritual, mas também para entender que é uma pessoa importante diante de Deus e diante da sua comunidade.

E fazer parte desse banquete onde o Nosso Senhor Jesus Cristo está presente, não tem preço...
Então temos que entender que o pão e o vinho (representado como suco de uva) são para nós alimentos espirituais. Pois eles apontam para nós que Cristo Jesus está vivo e muito vivo entre nós...

Na Santa Ceia do Senhor, damos uma total importância para a simbologia do pão e vinho uma vez que, o Nosso próprio Senhor Jesus Cristo, pegou esses dois elementos e mostrou para os discípulos que estavam ali presente que, todas às vezes que comer ou beber, que fizessem isso em memoria d`Ele. Cristo na verdade estava entregando aos discípulos, uma forma que para nós cristãos/ãs que ao passar do tempo, essa mesma simbologia ser tornaria peça fundamental no cristianismo de hoje. Como por exemplo, nos chamando para o serviço.

E para entender melhor essa palavra serviço, vamos então à mesa. Mesa para nós na verdade representa salvação.  E essa salvação está ligada a serviço. A mesa para nós metodista está no centro do Altar para fixar isso em nossa memoria e também no nosso coração.

Já que salvação em todas as áreas na vida do ser humana (física, espiritual e financeira) são atos e processos pelo qual Deus livra a pessoa da culpa e do poder do pecado e a introduz numa vida nova, cheia de bênçãos espirituais, por meio de Cristo Jesus. [5]

Ao pesquisar sobre esse assunto... Fez-me resgatar principos cristãos que acabam ao passar do tempo sendo esquecidos. E quando voltamos a ser impactados/as a nunca se esquecer desse momento memorável que o Nosso Senhor Jesus Cristo nos deixou ficamos pasmos, ou seja, surpresos/as de algo que não podemos nos esquecer...

Como por exemplo, o arrependimento:
Que tanto no judaísmo e no cristianismo, ato central da virtude religiosa que consiste em um sentimento de rejeição sincera, por parte do pecador, ao seu comportamento pregresso, ou seja, que passou antes, e que resulta na intenção de um retorno contrito à lei moral. [6]

Comentário e desabafo pessoal...


Voltando ao assunto mesa...
A Mesa do Senhor implica em pessoas chamadas e, em seguida, comissionadas por Deus. A Mesa do Senhor é, assim, uma atualização, uma rememoração do nosso chamado, da Missão. E é pela Missão e através dela que Cristo se faz presente. A Missão é, pois, lugar de unidade, de fortalecimento, de serviço, de doação. A Mesa do Senhor não é, portanto, um convite para nos separarmos das pessoas e do povo ao qual somos chamados a servir, a evangelizar. Na verdade, a Mesa do Senhor é um comissionamento sob a graça de Deus: "Agora, ide a todo mundo e pregai o Evangelho!”. [7]


Conclusão:

Vamos sair daqui hoje, com a certeza que queremos deixar para trás, tudo aquilo que tem nos afastado de Deus... Reconhecer que fazendo parte desse memorial estamos renovando a nossa aliança com Cristo Jesus. Que através dessa aliança, está em Nome de Jesus sendo removida toda mancha e marca de pecado em nós.

Que hoje, mais uma vez, possamos sair daqui renovados/as e com uma aliança novinha com Cristo e obedecendo verdadeiramente tudo aquilo que Ele nos mandou fazer que fosse servir e salvar vidas...

Uma vez que, somos convidados a lembrar de que diante de Deus e diante de Seu Filho Amado somos todos iguais e todos/as que têm a oportunidade de fazer parte dessa mesa tem um compromisso com Eles... Uma vez que somos um grande altar de comunhão [8]não só dentro da Igreja, mas fora dela... Que o Nosso Senhor Jesus Cristo nos traga a clareza e entendimento sobre a Sua mensagem sobre serviço e salvar vidas... 

Caieiras - São Paulo

Pastor Anderson Magno 06 de Outubro de 2013.




[1]  Sociedade Bíblica do Brasil. 2003; 2005. Almeida Revista e Atualizada - Com Números de Strong. Sociedade Bíblica do Brasil.
[2]  BORTOLLETO FILHO, Fernando (Org.). Dicionário Brasileiro de Teologia. São Paulo: ASTE, 2008. p. 75.
[3]  KASCHEL, W., ZIMMER, R., & Sociedade Bíblica do Brasil. 1999; 2005. Dicionário da Bíblia de Almeida 2ª ed. Sociedade Bíblica do Brasil.
[4] BÍBLIA de estudo: aplicação pessoal. São Paulo: CPAD, 2009. p. 1600.
[5]  KASCHEL, W., ZIMMER, R., & Sociedade Bíblica do Brasil. 1999; 2005. Dicionário da Bíblia de Almeida 2ª ed. Sociedade Bíblica do Brasil.
[6]  Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa, versão 2.0a – Abril de 2007.
[7]  Disponível em: < http://www.metodista-rio.org.br > - Acesso em 06 de outubro.
[8]  Disponível em: < http://www.metodistavilaisabel.org.br > - Acesso em 06 de outubro.

domingo, 29 de setembro de 2013

O QUE VOCÊ VAI FAZER! Três homens e três destinos diferentes.

Pastor Anderson Magno Nascimento da Silva

Referência bíblica:  Gênesis 40. 1 - 23
1 Passadas estas coisas, aconteceu que o mordomo do rei do Egito e o padeiro ofenderam o seu senhor, o rei do Egito. 2 Indignou-se Faraó contra os seus dois oficiais, o copeiro-chefe e o padeiro-chefe. 3 E mandou detê-los na casa do comandante da guarda, no cárcere onde José estava preso. 4 O comandante da guarda pô-los a cargo de José, para que os servisse; e por algum tempo estiveram na prisão. 5 E ambos sonharam, cada um o seu sonho, na mesma noite; cada sonho com a sua própria significação, o copeiro e o padeiro do rei do Egito, que se achavam encarcerados. 6 Vindo José, pela manhã, viu-os, e eis que estavam turbados. 7 Então, perguntou aos oficiais de Faraó, que com ele estavam no cárcere da casa do seu senhor: Por que tendes, hoje, triste o semblante? 8 Eles responderam: Tivemos um sonho, e não há quem o possa interpretar. Disse-lhes José: Porventura, não pertencem a Deus as interpretações? Contai-me o sonho.
9 Então, o copeiro-chefe contou o seu sonho a José e lhe disse: Em meu sonho havia uma videira perante mim. 10 E, na videira, três ramos; ao brotar a vide, havia flores, e seus cachos produziam uvas maduras. 11 O copo de Faraó estava na minha mão; tomei as uvas, e as espremi no copo de Faraó, e o dei na própria mão de Faraó. 12 Então, lhe disse José: Esta é a sua interpretação: os três ramos são três dias;  13 dentro ainda de três dias, Faraó te reabilitará e te reintegrará no teu cargo, e tu lhe darás o copo na própria mão dele, segundo o costume antigo, quando lhe eras copeiro. 14 Porém lembra-te de mim, quando tudo te correr bem; e rogo-te que sejas bondoso para comigo, e faças menção de mim a Faraó, e me faças sair desta casa; 15 porque, de fato, fui roubado da terra dos hebreus; e, aqui, nada fiz, para que me pusessem nesta masmorra.
16 Vendo o padeiro-chefe que a interpretação era boa, disse a José: Eu também sonhei, e eis que três cestos de pão alvo me estavam sobre a cabeça; 17 e no cesto mais alto havia de todos os manjares de Faraó, arte de padeiro; e as aves os comiam do cesto na minha cabeça. 18 Então, lhe disse José: A interpretação é esta: os três cestos são três dias; 19 dentro ainda de três dias, Faraó te tirará fora a cabeça e te pendurará num madeiro, e as aves te comerão as carnes. 20 No terceiro dia, que era aniversário de nascimento de Faraó, deu este um banquete a todos os seus servos; e, no meio destes, reabilitou o copeiro-chefe e condenou o padeiro-chefe. 21 Ao copeiro-chefe reintegrou no seu cargo, no qual dava o copo na mão de Faraó; 22 mas ao padeiro-chefe enforcou, como José havia interpretado. 23 O copeiro-chefe, todavia, não se lembrou de José, porém dele se esqueceu. [1]

Introdução
Nesta semana, me deparei com essa reflexão sobre qual foi à realidade desses três homens diante da sociedade que eles viviam. E como que isso, direto ou indiretamente envolve a nossa vida e também ministérios.  
Esses três homens se encontravam presos na cadeia que ficava perto da casa do capitão da guarda. Uma vez que, qualquer coisa que poderia acontecer naquela prisão, ele estava pronto e perto para resolver.
Porém, o que eu desejo mostrar neste sermão é o seguinte: Que mesmo dentro de uma prisão, poderemos escolher o nosso caminho.

Desenvolvimento
José mesmo preso cabia a ele tomar conta dos outros presos. Já que, entendemos que tudo aquilo que ele era responsável por tomar conta “prosperava”. E no caso da sua responsabilidade na prisão “tudo iria bem”.
Portanto, José era conhecido como um homem que sabia interpretar sonhos. Quando ele foi visitar esses dois presos, viu que eles estavam tristes e preocupados. E José perguntou para os dois o que aconteceu? E eles responderam segundo a interpretação de cada um conforme tivemos a oportunidade de ler no texto bíblico.
Mas, o que isso tem a ver com a nossa vida e também ministério?
Três homens e três destinos diferentes é o que nos relata esse texto de Gênesis 40. Quando lembramos que José estava no Egito devido à inveja e a perseguição dos seus irmãos que tinham ciúmes dele por causa do carinho e respeito que seu pai Jacó tinha por ele. Onde a ira entrou de uma forma muito covarde no coração desses irmãos ao ponto de vendê-lo.
Entretanto, antes desses fatos de ser vendido, José tinha lhes contados um sonho e esse sonho deixou não só seus irmãos, mas também seu pai preocupado e nervoso. 
Porém, voltando o texto, a trama principal aqui é o sonho do copeiro e do padeiro... José disse para os dois o seguinte: E Deus quem dá à gente a capacidade de explicar sonhos... (Gn 40. 8b).
Sonhos que segundo explicou e revelou José um era bom e o outro era ruim. No texto não conseguir observar o verdadeiro motivo que levou esses dois homens a prisão e qual foi o verdadeiro motivo que o coração do Faraó ficou chateado com eles.
Porém, como eu já disse, Deus pode mudar a nossa realidade dentro de uma prisão e vamos agora observar como Deus agiu na vida de cada um.

 A posição dos três diante de Faraó era um cargo de uma responsabilidade enorme no reinado dele. Uma vez que, um ficou responsável por tomar conta dos encarcerados (José), o outro por fazer a comida (padeiro) e o outro por provar dessa comida (mordomo).
Segundo pesquisadores bíblicos, esses dois homens (padeiro e o mordomo) poderiam estar tramando uma cilada, um complô para matar o Faraó e antes que isso acontecesse, Faraó descobriu e mandou prender os dois.
Na prisão, creio eu, eles refletiram sobre a sua situação e tiveram a oportunidade de mudar ou não a sua realidade... José, ouvindo os sonhos dos dois, interpretou segundo Deus lhe deu a direção e segundo a situação de cada um.
Um sonhou que estava servindo a Faraó e o outro que as aves comiam os manjares de Faraó... Aparentemente normal, mas, com uma simbologia muito grande para nós.
Quando o assunto eram sonhos, José voltava à  atenção de todos para Deus. Ao invés de usar a situação para fazer-se grande, ele transformou os sonhos em poderosos testemunhos para o SENHOR. Um segredo do testemunho eficiente é saber reconhecer as oportunidades para estabelecer uma relação entre Deus e a experiência da outra pessoa. Quando a oportunidade surgir, precisamos ter coragem para falar, assim como José. [2]

Por isso, estamos propondo aqui uma reflexão sobre que mesmo dentro de uma prisão, temos a oportunidade de mudar a nossa realidade... Digo isso por quê? Pois, Deus quer mudar a nossa realidade, Deus deseja mudar a nossa situação.
Deus nos permite passar por coisas e situações para perceber se estamos dispostos/as a mudar a nossa realidade diante d`Ele. Na prisão, o mordomo pode ter feito uma reflexão sobre a sua vida e pediu perdão e desejou mudar a sua sorte... Porém, o coração do padeiro, poderia está duro e não reconheceu o seu erro e dentro dele só crescia o ódio e a raiva.
Será que a ideia de está na prisão, não era um tempo para reflexão? Para mudança? Para uma nova vida? No mundo circular, observamos muitas pessoas que passam pela prisão e não mudam sua a realidade local e emocional. Ficando preso nos seus sentimentos e passado.
Então o foco da nossa mensagem pode ser mudança... 

Conclusão
Como que esses princípios são importantes para cada um e cada uma de nós nesta noite? Elas se tornam importante a partir do momento que entendemos que o tempo e a permissão de Deus estão ao nosso favor e que Ele deseja que haja mudança em cada um/a de nós.
Olha o caso desses três homens... Um sonhou e teve a morte como seu pagamento, o outro sonhou e teve a oportunidade de continuar aquilo que ele fazia (servir) e o outro sonhou e foi virar governador, ou seja, o 2º homem mais importante naquela terra.
Se você tem um sonho e acha que foi Deus que o deu a você, examine em oração a Palavra de Deus e tenha certeza de que o seu sonho está de acordo com as Escrituras. Caso positivo, considere em oração o que Deus quer que você faça em resposta ao sonho (Tiago 1:5). Nas Escrituras, sempre que alguém experimentou um sonho de Deus, Deus sempre tornou o significado do sonho claro, seja diretamente para a pessoa, através de um anjo, ou através de um mensageiro (Gênesis 40:5-11; Daniel 2:45; 4:19). Quando Deus fala conosco, Ele se assegura de que a mensagem é entendida claramente. [3]
José meu amados/as, mesmo explicando para o mordomo a sua situação, ele ainda ficou naquele lugar mais dois anos. E não saiu e não blasfemou contra Deus. Esperou e no tempo certo Deus o honrou. O outro, foi liberto e voltou a servir a Faraó e o padeiro morreu segundo foi revelado para ele.
Se você tem um sonho e acha que foi Deus que o deu a você, examine em oração a Palavra de Deus e tenha certeza de que o seu sonho está de acordo com as Escrituras. Caso positivo, considere em oração o que Deus quer que você faça em resposta ao sonho (Tiago 1:5). Nas Escrituras, sempre que alguém experimentou um sonho de Deus, Deus sempre tornou o significado do sonho claro, seja diretamente para a pessoa, através de um anjo, ou através de um mensageiro (Gênesis 40:5-11; Daniel 2:45; 4:19). Quando Deus fala conosco, Ele se assegura de que a mensagem é entendida claramente. [4]
Sendo assim, qual é o nosso primeiro passo a partir dessa verdade. Morrer! Ficar na mesma posição! Ou mudar a nossa realidade? Qual vai ser o nosso primeiro passo para mudar essa realidade? José mudou por demais no período que estava preso e longe dos seus parentes... Ele aprendeu que as oportunidades podem estar à espera.[5]
Lembram-se que, às vezes podemos está em prisões... Mas, o que essas prisões desejam nos mostrar? Quais das três realidades querem para nossa vida e também ministérios. Por isso, fica essa reflexão para cada um e cada uma de nós...  As oportunidades para mudanças sempre vem. Mas a fé e a chance de mudar jamais podemos perder... Que esse texto venha trazer uma mudança pessoal em cada um e cada uma de nós. Às vezes as nossas atitudes podem nos deixar parados ou nos colocar em lugares de honra. Sempre é bom lembrar o seguinte: Mesmo que homens e mulheres se esqueçam de nós. Deus nunca se esqueceu.
E assim, como José fez, tomamos uma posição de acreditar e mudar para melhor. Pois, ao sair da prisão, Deus não deseja que ficamos na mesma posição ou que morremos, mas, que mudamos de atitude e de comportamento para melhor servir. Pois, Ele deseja o nosso melhor. Rever as mudanças e os seus sonhos! Observa aquilo que Deus está lhe mostrando e mude a realidade a partir de agora. Deus abençoe.
Sermão pregado em Caieiras – São Paulo no dia 29 de setembro de 2013.



[1] Sociedade Bíblica do Brasil. 2003; 2005. Almeida Revista e Atualizada - Com Números de Strong. Sociedade Bíblica do Brasil
[2] BÍBLIA de estudo: aplicação pessoal. São Paulo: CPAD, 2009. p. 67.
[3]  Disponível em:  < http://www.gotquestions.org  > - Acesso em 29 de setembro de 2013.
[4]  Idem.
[5]  BÍBLIA de estudo: aplicação pessoal. São Paulo: CPAD, 2009. p. 67.