segunda-feira, 9 de setembro de 2013

O Pai e o filho mais velho. Uma reflexão sobre o irmão do filho pródigo e seu Pai



PASTOR ANDERSON MAGNO NASCIMENTO DA SILVA


Referência bíblica:

Lucas 15. 25 - 32
Ora, o filho mais velho estivera no campo; e, quando voltava, ao aproximar-se da casa, ouviu a música e as danças. Chamou um dos criados e perguntou-lhe que era aquilo. E ele informou: Veio teu irmão, e teu pai mandou matar o novilho cevado, porque o recuperou com saúde. Ele se indignou e não queria entrar; saindo, porém, o pai, procurava conciliá-lo. Mas ele respondeu a seu pai: Há tantos anos que te sirvo sem jamais transgredir uma ordem tua, e nunca me deste um cabrito sequer para alegrar-me com os meus amigos; vindo, porém, esse teu filho, que desperdiçou os teus bens com meretrizes, tu mandaste matar para ele o novilho cevado. Então, lhe respondeu o pai: Meu filho, tu sempre estás comigo; tudo o que é meu é teu. Entretanto, era preciso que nos regozijássemos e nos alegrássemos, porque esse teu irmão estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado. [1]

Introdução:
Hoje vamos falar do irmão do “Filho Prodigo”. Mesmo sabendo que na Bíblia esse texto é tratado como uma parábola, ou seja, narrativa alegórica que encerra um preceito religioso ou moral, especialmente encontradas nos Evangelhos. [2]
Porém, desejo mostrar através desse sermão a atitude que algumas vezes nos nós deparamos mediante ao sucesso e a alegria do/a outro/a. Ao perceber que algo aconteceu na vida dele/a e não aconteceu na nossa. E ai, ficamos chateados e não nos alegremos com ele/a.
  
Desenvolvimento:
Entendemos que neste texto, foi difícil para o irmão mais velho observar tudo aquilo que “Seu Pai” estava proporcionando para o seu irmão mais novo. A ira dele era até compreensiva mediante a situação que ele estava passando. Uma vez que, se observarmos a historia, o filho mais novo gastou toda a parte que lhe cabia como herança.
Surgiu neste filho mais velho uma inveja, uma raiva, um sentimento que ele não conseguiu suportar. Ele deu brechas, para atos, que Deus não se agrada que praticamos. Principalmente com aqueles/as que estavam mortos, ou seja, que no caso de Lucas 15 11 – 15 mostra a morte daqueles/as que perderam o contato com Deus. [3]
Essa passagem, na verdade mostra um problema entre a liderança religiosa daquela época (judeus). Já que eles guardavam os preceitos da lei e não entendiam o conceito da Graça de Deus sobre aqueles/as que até então entendemos que, estão perdidos/as. Já que, eles entendiam e se achavam auto-suficiente, isto é, que tem a capacidade de viver sem depender do/a outro/a [4] e se consideravam redentores da salvação vinda da parte de Deus para a humanidade. 
E às vezes é assim que nos nós observamos, quando percebemos o amor de Deus para com o/a outro/a que sai dos Seus caminhos e que viveram a vida longe das normas, leis, ensinos de Deus.
Esse irmão do filho pródigo tem muito a nos ensinar como, por exemplo:
1.    Alguém que reclama é uma pessoa difícil de conviver = E natural cada um/a de nós nos pegar reclamando de alguma coisa não é? E quando damos legalidade a isso na nossa vida, automaticamente percebemos pessoas se afastando de nós... Ficamos tão pesados, sobrecarregados e tensos que ficamos cegos e surdos ao ponto de observar que estamos incomodando outras pessoas que às vezes não estão nem ai para os nossos problemas e crises pessoais.
Porém, com esse Pai foi diferente... O Pai ouviu a caixa do filho mais novo, assim como ouviu a queixa do filho mais velho. Evitando assim, uma vaidade pessoal entre os dois. Você gostaria de saber o porquê disso? “O Senhor Deus, não tem prazer na morte do perverso, mas em que o perverso se converta do seu caminho e viva. Ezequiel 33.11.
Muitas vezes nos alegramos com a derrota, sofrimento, morte, falta de sorte do/a outro/a... Isso é, com a “nossa justiça feita”. Pois, não creio que Deus tem prazer no sofrimento de uma pessoa... Principalmente se não for para Glorificar o Nome D`Ele.
Às vezes, colocamos a nossa queixa como forma de receber simpatia das pessoas. Portanto, isso pode causar um efeito ao contrario como, por exemplo, um afastamento das pessoas.  
2.    A experiência de não poder compartilhar da alegria = Deus nos pede que compartilhamos o Seu amor e cuidado com o/a próximo/a. “Alegrai-vos com os que se alegram; e chorai com os que choram. Romanos 12. 15.
Esse irmão mais velho procurou se afastar e não quis receber seu irmão mais novo uma vez que ele teve uma atitude degradante (desonra) com o Seu Pai. Sua mágoa íntima o paralisava [5] diante de uma alegria tão grande naquela casa.
Ele queria pelo menos ser informado dessa situação e não foi. Quando chegou do campo ou dos seus compromissos.
Viu uma alegria na casa e quando perguntou para um servo o que estava acontecendo naquela casa, foi informado que seu irmão mais novo tinha voltado e Seu Pai estava dando uma festa.
Ele não soube expressar alegria naquele momento. E se indignou e queria que seu irmão mais novo pagasse tudo e fosse humilhado. Ao contrario do “Seu Pai” que perdoou esse filho e lhe recebeu de braços aberto.
3.    O Pai desses filhos era um pai de diálogo = Esse Pai era um pai transparente e sensível referente às situações dos dois filhos. Sejam agradáveis as palavras da minha boca e a meditação do meu coração perante a tua face, Senhor, Rocha minha e Redentor meu!. Salmo 19.14
O diálogo foi à peça fundamental nesta historia. Uma vez que o Pai favoreceu o diálogo com o filho mais novo ouvindo alegremente, sem crimina-lo, abrindo assim, uma oportunidade para sua recuperação.
Dá mesma forma, favoreceu o diálogo com o filho mais velho que estava nervoso e incompreensível com aquela situação. [6]
Porém, o que vale neste momento é a reflexão que vamos fazer neste momento que é o seguinte:
ü Quer que eu seja o filho mais jovem ou o filho mais velho, o único desejo de Deus é o de me fazer voltar para casa.
Por isso, neste momento façamos uma reflexão pessoal. Será que a minha raiva, minha inveja, minha dor e ressentimento está me impedindo de voltar para a casa do Pai com amor e reverência? Talvez neste momento Deus esteja nos pedindo para que a “cura do filho mais velho” aconteça na nossa vida, na nossa casa e no nosso ministério. 
Preste atenção:
A Casa de Deus é o centro do nosso ser, onde podemos ouvir a Sua voz que diz: “Você é meu e minha filho e filha amado e amada, sobre ti ponho todo meu carinho” – a mesma voz que deu a vida ao primeiro homem Adão e falou a Jesus, o segundo Adão; a mesma voz que Ele fala comigo e com você.  [7]

Lá dentro do nosso coração... Dentro da nossa mente Deus sempre se comunicando todos os dias conosco. Você crer nisso? Eu creio e sei que isso é uma verdade na minha vida. 

Conclusão:

Queridos e queridas do Senhor Jesus Cristo... Algumas coisas que Deus nos mostrou nesta noite foram as seguintes: 
ü  Liberar perdão... Cura interior... Sentimentos de inferioridade... Tristeza emocional

Já que percebemos nesta leitura que o filho mais velho ficou com muita raiva e não quis entrar na casa de jeito nenhum... Por isso, trago a nossa memoria o Pai que dialoga o Pai que cuida e o Pai que sara todas as dores e mágoas ocultas ou não.
Esse Pai não desejou somente a volta do filho mais novo... Mas também desejou com toda a sua força a volta do filho mais velho. Uma vez que esse filho precisava ser encontrado e conduzido de volta para a casa. A Casa da alegria, do amor, do cuidado, da gentileza, do primeiro amor... Sim, o primeiro amor. [8]
Lembram-se amados e amadas irmãos e irmãs... O Amor de Deus é incompreensível. Ele Ama os que Lhe amam e também amam aqueles/as que Lhe odeia. Deus, assim como na passagem do filho pródigo e do filho mais velho quer liberar curas e milagres para cada um de nós nesta noite.
Limpar algo que de repente está nos afastando da Casa de Deus...
Lembra como você entrou nesta noite?
Quero dizer algo... Esses dois filhos esperaram um abraço. Esses dois filhos esperou uma Palavra de esperança. Esses dois filhos foi honrado pelo Seu Pai... A atitude desse Pai representa atitude amorosa de Deus para quem vive pisando na bola. Deus quer restaurar a paz e o perdão nesta noite.
Não volta para seu lar com ira, ressentimentos, com falta de perdão. Deixa no Altar do SENHOR e saia daqui renovado/a em Nome de Jesus.   

Oração: SENHOR... Limpa meu coração... Ajuda-me a perdoar e olhar para o meu próximo com amor... Com o Amor de Cristo Jesus que há tanto tempo tenho sou instruído... Perdoa as minhas ofensas ocultas e aquelas que foram reveladas... Que eu libere perdão também... Creio no Teu Amor e Cuidado... Sei que Tu me amas incondicionalmente... E por isso... Sempre que pode e eu deixo trata comigo pessoalmente... SENHOR... Muito obrigado... E... Não permita que eu volte pra casa da mesma forma que cheguei... Que eu volte... Com paz... Amor... Justiça... Não deixe... Que o nosso senso de justiça... Bloqueie... A Sua Graça e Ação sobre mim... Que a nossa integridade e respeito... Seja constante... Diante do SENHOR... Muito obrigado... Por me amar... Ensinar... Quebrantar... E saber... Que Seus braços... Estão Sempre aberto para mim. Te amo, Te amo, Te amo

Sermão pregado na Igreja Metodista em Jardim Elisa Maria e Caieiras -  São Paulo 30/08/2013





[1]  Sociedade Bíblica do Brasil. 2003; 2005. Almeida Revista e Atualizada - Com Números de Strong. Sociedade Bíblica         do Brasil
[2]  Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa, versão 2.0a – Abril de 2007.
[3]  BÍBLIA Shedd. Edição de Russel P. Shedd. 2. ed. São Paulo: Vida Nova : Sociedade Bíblica do Brasil, 1997. p. 1460.
[4]  Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa, versão 2.0a – Abril de 2007.
[5]  NOUWEN, Henri J. M. A volta do filho pródigo: a história de um retorno para casa. 8. ed. São Paulo: Paulinas, 1999. p. 81.
[6]  BÍBLIA de estudo do líder pentecostal. Tradução de Joao Ferreira de Almeida. Barueri: Sociedade Biblica, 2009.  p. 949.
[7] NOUWEN, Henri J. M. A volta do filho pródigo: a história de um retorno para casa. 8. ed. São Paulo: Paulinas, 1999. p. 43.
[8] NOUWEN, Henri J. M. A volta do filho pródigo: a história de um retorno para casa. 8. ed. São Paulo: Paulinas, 1999. p. 86.

Nenhum comentário:

Postar um comentário